Feira de Ciências



Os trabalhos da série Feira de Ciências partem do cruzamento de diferentes campos e disciplinas (como ciência e comunicação) com o campo da arte, gerando resultados poéticos em diferentes meios e suportes. A artista parte de objetos e imagens científicas, ou capturadas em museus de ciência, transpondo-as para o universo da arte.
As obras colocam em discussão a relação entre arte e ciência e como cada campo, com as suas especificidades e particularidades, transformam os objetos em questão. Assim, Romy seleciona, escolhe, captura e recorta imagens de ciência real, e colocando-as dentro do museu de arte produz o que gosta de chamar de uma “transmutação mágica”. Ao realizar essa ação, a transferência (da ciência para a arte) transforma-se em ato performático, e, por que não mágico, através do qual a origem da imagem primeira é posta de lado, esquecida, para assumir um novo lugar, tornar-se uma proposição artística.





Santander Cultural, Porto Alegre, 2014


Na exposição realizada em 2014 no Santander Cultural em Porto Alegre, foram apresentadas as obras: Scientific Amusements (2014), composta por 30 transparências de imagens do livro homônimo, de Henry Frith (1980) e 2 retroprojetores sobre uma mesa; Pianola (2014), composta por três rolos de pianola, expostos numa mesa; Atlântico- Pacifico (2013), vídeo digital, 23 minutos, projetado; Manual do Mundo (2014), série de 4 fotografias; Abecedário de Guerra (2014) conjunto de serigrafias de aviões de guerra; Diorama I, fotografia montada em caixa de madeira e Enciclopédia inútil, montagem de 5 fotografias.


O trabalho também foi apresentado no Centro Cultural São Paulo em 2015.





Cemtro Cultural São Paulo, 2015